Arquivo de Setembro, 2014

Música nas Praças

Quem vaguear por Lisboa ainda ao embalo do Dia Mundial da Música arrisca-se a tropeçar na iniciativa Música nas Praças e a encontrar músicos da Orquestra Metropolitana de Lisboa, coros, a Banda Sinfónica da PSP, etc.

 

A 6 de Outubro, várias praças de Lisboa são palco de espectáculos de música sinfónica e de ateliers instrumentais. Música nas Praças é um festival com concertos promenade, de entrada livre, protagonizados por orquestras e coros, pensados para actuações ao ar livre.

Tradicionalmente no Chiado e estendido este ano à Mouraria, o festival comemora, com alguns dias de atraso, o Dia Mundial da Música, celebrado a 1 de Outubro, com uma programação que convida a seguir notas musicais por zonas emblemáticas da cidade.

A iniciativa é da Câmara Municipal de Lisboa e da EGEAC, empresa municipal responsável pela Gestão de Equipamentos e Animação Cultural e vai já na sua 5.ª edição.

musica_nas_pracas_gr-940x529

A organização explica que o festival se insere numa reacção “aos momentos de grande adversidade, através de uma experiência feita de colectivo, de comunhão e de pertença”.

Os espectáculos, de acesso gratuito, têm início às 10h na Rua da Mouraria e terminam às 23h, no Largo de São Carlos. Os concertos começarão na zona da Mouraria com a actuação do Ensemble de Saxofones da Metropolitana, às 10h. Para quem perder a abertura, é possível reencontrá-los às 11h na Rua da Guia. Às 12h, a Banda Sinfónica da PSP actua no Largo do Intendente.

Durante a tarde, as actuações estão distribuídas pela zona do Chiado, com o Largo do Carmo a receber o Coro Juvenil de Lisboa, o Coro Lisboa Cantat e a Escola de Música do Conservatório Nacional. No Largo de São Carlos estarão as Percussões da Metropolitana, Ensemble da Orquestra Sinfónica Portuguesa e Orquestra de Sopros e Metropolitana. Paralelamente, estarão a decorrer no Museu do Chiado ateliers instrumentais e aulas abertas das Escolas da Metropolitana, com sessões às 16h30, 17h30 e 18h30.

Em edições anteriores o projecto apresentou concertos de jazz e recitais de harpa, piano e ópera.

Fonte: Público

Anúncios

Associação Portuguesa de Festivais de Música

A APORFEST é comunicada hoje oficialmente e pretende representar a área dos festivais de música em Portugal, promovendo um conjunto de iniciativas que beneficiem todos os os seus associados, desde informação privilegiada a eventos exclusivos e especializados.

Até final de 2014, ocorrerão 146 festivais de música em Portugal, o que significa um recorde e aumento de 14% em relação ao ocorrido, em idêntico período, no ano anterior. Surge, proporcionalmente, uma necessidade de representação deste sector e por isso é hoje comunicada, a APORFEST – Associação Portuguesa Festivais Música, registada e fundada em Agosto.

A APORFEST terá como objectivos principais: representar o sector dos festivais de música; ajudar a estabelecer pontos de contacto na área, fazendo pontes entre este mercado a nível nacional e internacional com outros organismos e associações; informar conteúdos de valor que possam servir para melhorar conhecimento e criar talento que optimizará esta área a nível técnico-funcional; promover e apoiar investigação na área dos festivais e assim poder gerar empregabilidade.

Neste lançamento, a associação consegue já ter um conjunto de serviços, soluções e eventos próprios e outros em parceria, assim como benefícios e vantagens exclusivas, para as diferentes modalidades de associados (Estudante/Público em geral; Profissional; Empresa/ Festival – grande parte dos conteúdos, eventos e informações apenas estarão ao dispor das duas últimas modalidades) que permitirão o desenvolvimento de competências de todos os que de alguma forma gravitam à volta desta área.

Diariamente, serão acrescentadas novas soluções e conteúdos, estando disponíveis para quaisquer esclarecimentos, solicitações, dúvidas e sugestões. Ao longo dos próximos meses, será também constituído um board/comité da associação que cubra diferentes funções e áreas cognitivas.

A APORFEST é uma organização sem fins lucrativos formada maioritariamente por uma equipa que colabora com o Talkfest sendo o resultado de um plano estratégico construído desde 2011 e que pode agora alcançar um outro patamar, estando a partir de hoje ao serviço dos seus futuros associados.

Todas as informações em:
www.aporfest.pt
www.facebook.com/aporfest

Contacto (preferencial): aporfest@aporfest.pt

Subscreva aqui a newsletter da Aporfest 

FESTIVAL TODOS, Caminhada de Culturas | 12,13 e 14 set. 2014 – Lisboa

FESTIVAL TODOS 2014: POVO, um povo de povos

homens_webO festival  TODOS – Caminhada de Culturas, acontece de novo em São Bento, Poço dos Negros e Santa Catarina. Apresenta-se nesta sexta edição como uma grande MANIFESTAÇÃO. Através do seu programa intercultural e multidisciplinar, o TODOS celebra desta vez a democracia portuguesa, 40 anos depois do 25 de Abril.

O POVO de Lisboa, que é no fundo feito de muitos povos, é uma das palavras de ordem que quisemos trazer a lume. Partimos da premissa de que é preciso ouvir o POVO; deixar falar os muitos POVOS que vivem e habitam a cidade de Lisboa hoje e desde há muito tempo. E assim colocamos em diálogo e em jogo estas situações, palavras, ideias, através da mão dos artistas, a quem pedimos para, nas suas narrativas artísticas, pensarem no que é de facto importante para este POVO com povos dentro da sua identidade. Trazendo os seus universos próprios, convidámo-los a pôr em obra as suas visões do estado das cidades, aqui e agora.

O projecto fotográfico da Silverbox e de Luís Pavão é disso um exemplo. BASTIDORES DO BAIRRO usa uma técnica fotográfica praticada nos meados do séc. XIX com colódio húmido. Fazendo a revelação em chapa de vidro ou alumínio, surgem as famílias do bairro; famílias de trabalho, de sangue, de afectos. São imagens atemporais e misteriosas. As fotografias mostram-nos núcleos de pessoas como pequenos povos, onde as presenças de África, Brasil, Oriente e Europa se declaram e confundem.

Novas criações, espectáculos e intervenções no espaço urbano convidam-nos a entrar nos espaços mais emblemáticos do bairro, como a maior casa do povo, a Assembleia da República, que receberá uma CONFERÊNCIA COREOGRÁFICA de Vera Mantero.

A Igreja das Mercês será a casa da MÚSICA SACRA ORTODOXA, num concerto dirigido por Svetlana Poliakova, musicóloga e maestrina russa. O Instituto Superior de Economia e Gestão – ISEG Lisboa será o lugar onde, com um modo próprio de fazer Teatro e Antropologia, Joana Craveiro nos fala de EXÍLIOS, RETORNOS E ALGUNS QUE FICARAM.

Um pátio escondido do bairro albergará uma ESTRADA ESFOMEADA, texto escrito pelo nigeriano Ben Okri; um terraço de um prédio recebe FATMA, que existe na escrita teatral de M’Hamed Bengguettaf, da Argélia; e num bar literário revelam-se HISTÓRIAS INCENDIÁRIAS, com Patrick Murys e Luís Belo. SILOS DE CARROS E ESTRADAS GIRATÓRIAS vão acelerar na Sociedade Guilherme Cossoul com homens de várias nacionalidades e Vânia e Marcus Rovisco.

A Rua de São Bento, da Assembleia da República para baixo, incluindo a Rua do Poço dos Negros, irá inundar-se de som e música nas suas lojas, restaurantes, oficinas e livrarias. O Jardim de São Bento dará as PALAVRAS AO POVO; haverá VEGETAÇÃO RASTEIRA a crescer num espaço abandonado, com a búlgara Maria Varbanova; Vera Prokic, pianista “nascida na Jugoslávia de Tito”, como gosta de afirmar, oferece-nos nove fados para piano do compositor novecentista Alexandre Rey Colaço, e A UTOPIA, de Thomas More, será lembrada pelas ruas de São Bento.

UM COPO D’ÁGUA transcontinental, com a Orquestra TODOS a abrilhantar o baile deste festim com comidas do mundo, fechará o festival nos recreios do Liceu Passos Manuel.

Estas, entre outras propostas… Para um fim de semana deste fim de Verão/início de Outono, que já quase não é Verão, e ainda não é Outono, mas sim uma fusão de estações, tal como o povo/público do TODOS, que poderá vir mergulhar e também ressurgir.

 

Fonte: http://festivaltodos.com/