Archive for the ‘ 3.2. conteúdos ’ Category

estudo sobre impacto da cultura na criatividade (2009)

consultar documento:

study_impact_cult_creativity_06_09

crowdfunding como financiamento alternativo

Image                 in maistrafego.pt:

«O Crowdfunding é uma forma de financiamento colectivo de ideias de negócio, através de uma plataforma online. De forma literal, Crowdfunding significa “financiado pela multidão” e apesar desta modalidade de angariação de fundos colectivos já existir há muito (desde o mecenato, filantropia ou quotas de associados) o fator inovador está na forma como todo o processo se desenrola na Internet. O Crowdfunding assenta na ideia de que pequenos investimentos (mínimo de 1 euro), patrocinados por uma grande comunidade, resultam em grandes projetos. O maior desafio do empreendedor será, portanto, o de mostrar e convencer o maior número de pessoas sobre a validade e as potencialidades da sua ideia de negócio e, assim, conseguir reunir o financiamento que precisa. Os primeiros apoiantes encontram-se, normalmente, nos círculos mais restritos dos familiares, amigos e associados, passando depois para uma comunidade mais genérica que será o próprio mercado – aqui, as redes sociais podem ter um papel chave na divulgação do potencial da ideia de negócio e na conquista de mais investidores. Assim é possível, ao mesmo tempo, procurar financiamento e testar a aceitação da ideia de negócio no mercado. Por outro lado, o Crowdfunding permite envolver toda esta comunidade de patrocinadores em torno da ideia de negócio, o que dá relevância social ao projeto.

O processo de financiamento através do Crowdfunding começa com a apresentação de uma candidatura (pitch) através da plataforma, é estipulado o valor do financiamento necessário à concretização do projeto, um prazo para as doações e, por fim, uma lista das recompensas que vão ser entregues aos investidores. No final do prazo se for atingida a meta de financiamento (e que pode até ser ultrapassada) o promotor recebe esse valor e a plataforma online recebe, normalmente, uma comissão de 5%. A partir desta fase, inicia-se o desenvolvimento do projeto que pode ser acompanhado pelos investidores, mais uma vez através das redes sociais, por exemplo – uma forma de também ser assegurada a transparência do processo. Caso não seja conseguido o valor do financiamento necessário, mas antes apenas 60% do valor estipulado, por exemplo, o projeto não se realiza e os valores são devolvidos aos apoiantes. Portanto, se por um lado os business angels estão especialmente vocacionados para apoiar projetos que requerem uma maior componente de investimento (financeiro, recursos, know how), o Crowdfunding pode ser uma boa opção para as ideias de negócio que requerem uma menor estrutura de investimentos e que, por norma, têm mais dificuldade em conseguir financiamento através de capitais de risco, como os projetos editoriais, artísticos ou associativos, por exemplo.»

[artigo originalmente publicado em maistrafego.pt por Marisa Almeida. Ver artigo completo em: «Crowdfunding – uma nova forma de financiamento para empreendedores»]