Associação Portuguesa de Festivais de Música

A APORFEST é comunicada hoje oficialmente e pretende representar a área dos festivais de música em Portugal, promovendo um conjunto de iniciativas que beneficiem todos os os seus associados, desde informação privilegiada a eventos exclusivos e especializados.

Até final de 2014, ocorrerão 146 festivais de música em Portugal, o que significa um recorde e aumento de 14% em relação ao ocorrido, em idêntico período, no ano anterior. Surge, proporcionalmente, uma necessidade de representação deste sector e por isso é hoje comunicada, a APORFEST – Associação Portuguesa Festivais Música, registada e fundada em Agosto.

A APORFEST terá como objectivos principais: representar o sector dos festivais de música; ajudar a estabelecer pontos de contacto na área, fazendo pontes entre este mercado a nível nacional e internacional com outros organismos e associações; informar conteúdos de valor que possam servir para melhorar conhecimento e criar talento que optimizará esta área a nível técnico-funcional; promover e apoiar investigação na área dos festivais e assim poder gerar empregabilidade.

Neste lançamento, a associação consegue já ter um conjunto de serviços, soluções e eventos próprios e outros em parceria, assim como benefícios e vantagens exclusivas, para as diferentes modalidades de associados (Estudante/Público em geral; Profissional; Empresa/ Festival – grande parte dos conteúdos, eventos e informações apenas estarão ao dispor das duas últimas modalidades) que permitirão o desenvolvimento de competências de todos os que de alguma forma gravitam à volta desta área.

Diariamente, serão acrescentadas novas soluções e conteúdos, estando disponíveis para quaisquer esclarecimentos, solicitações, dúvidas e sugestões. Ao longo dos próximos meses, será também constituído um board/comité da associação que cubra diferentes funções e áreas cognitivas.

A APORFEST é uma organização sem fins lucrativos formada maioritariamente por uma equipa que colabora com o Talkfest sendo o resultado de um plano estratégico construído desde 2011 e que pode agora alcançar um outro patamar, estando a partir de hoje ao serviço dos seus futuros associados.

Todas as informações em:
www.aporfest.pt
www.facebook.com/aporfest

Contacto (preferencial): aporfest@aporfest.pt

Subscreva aqui a newsletter da Aporfest 

FESTIVAL TODOS, Caminhada de Culturas | 12,13 e 14 set. 2014 – Lisboa

FESTIVAL TODOS 2014: POVO, um povo de povos

homens_webO festival  TODOS – Caminhada de Culturas, acontece de novo em São Bento, Poço dos Negros e Santa Catarina. Apresenta-se nesta sexta edição como uma grande MANIFESTAÇÃO. Através do seu programa intercultural e multidisciplinar, o TODOS celebra desta vez a democracia portuguesa, 40 anos depois do 25 de Abril.

O POVO de Lisboa, que é no fundo feito de muitos povos, é uma das palavras de ordem que quisemos trazer a lume. Partimos da premissa de que é preciso ouvir o POVO; deixar falar os muitos POVOS que vivem e habitam a cidade de Lisboa hoje e desde há muito tempo. E assim colocamos em diálogo e em jogo estas situações, palavras, ideias, através da mão dos artistas, a quem pedimos para, nas suas narrativas artísticas, pensarem no que é de facto importante para este POVO com povos dentro da sua identidade. Trazendo os seus universos próprios, convidámo-los a pôr em obra as suas visões do estado das cidades, aqui e agora.

O projecto fotográfico da Silverbox e de Luís Pavão é disso um exemplo. BASTIDORES DO BAIRRO usa uma técnica fotográfica praticada nos meados do séc. XIX com colódio húmido. Fazendo a revelação em chapa de vidro ou alumínio, surgem as famílias do bairro; famílias de trabalho, de sangue, de afectos. São imagens atemporais e misteriosas. As fotografias mostram-nos núcleos de pessoas como pequenos povos, onde as presenças de África, Brasil, Oriente e Europa se declaram e confundem.

Novas criações, espectáculos e intervenções no espaço urbano convidam-nos a entrar nos espaços mais emblemáticos do bairro, como a maior casa do povo, a Assembleia da República, que receberá uma CONFERÊNCIA COREOGRÁFICA de Vera Mantero.

A Igreja das Mercês será a casa da MÚSICA SACRA ORTODOXA, num concerto dirigido por Svetlana Poliakova, musicóloga e maestrina russa. O Instituto Superior de Economia e Gestão – ISEG Lisboa será o lugar onde, com um modo próprio de fazer Teatro e Antropologia, Joana Craveiro nos fala de EXÍLIOS, RETORNOS E ALGUNS QUE FICARAM.

Um pátio escondido do bairro albergará uma ESTRADA ESFOMEADA, texto escrito pelo nigeriano Ben Okri; um terraço de um prédio recebe FATMA, que existe na escrita teatral de M’Hamed Bengguettaf, da Argélia; e num bar literário revelam-se HISTÓRIAS INCENDIÁRIAS, com Patrick Murys e Luís Belo. SILOS DE CARROS E ESTRADAS GIRATÓRIAS vão acelerar na Sociedade Guilherme Cossoul com homens de várias nacionalidades e Vânia e Marcus Rovisco.

A Rua de São Bento, da Assembleia da República para baixo, incluindo a Rua do Poço dos Negros, irá inundar-se de som e música nas suas lojas, restaurantes, oficinas e livrarias. O Jardim de São Bento dará as PALAVRAS AO POVO; haverá VEGETAÇÃO RASTEIRA a crescer num espaço abandonado, com a búlgara Maria Varbanova; Vera Prokic, pianista “nascida na Jugoslávia de Tito”, como gosta de afirmar, oferece-nos nove fados para piano do compositor novecentista Alexandre Rey Colaço, e A UTOPIA, de Thomas More, será lembrada pelas ruas de São Bento.

UM COPO D’ÁGUA transcontinental, com a Orquestra TODOS a abrilhantar o baile deste festim com comidas do mundo, fechará o festival nos recreios do Liceu Passos Manuel.

Estas, entre outras propostas… Para um fim de semana deste fim de Verão/início de Outono, que já quase não é Verão, e ainda não é Outono, mas sim uma fusão de estações, tal como o povo/público do TODOS, que poderá vir mergulhar e também ressurgir.

 

Fonte: http://festivaltodos.com/

Formação em financiamento em projetos culturais | inscrições abertas

Rui Matoso, Professor na Universidade Lusófona/ECATI, irá ministrar o workshop “Financiamento de Projectos Culturais através de Patrocínio, Mecenato e Crowdfunding” no Museu de Lamego, nos próximos dias 19 e 20 de setembro.

 

Dotar os formandos de competências na área da angariação de financiamento privado através de duas ferramentas de comunicação distintas, o Patrocínio e o Mecenato, e uma terceira, mais recente, o Crowdfunding, é o grande objetivo da ação de formação que o Museu de Lamego organiza nos próximos dias 19 e 20 de setembro. “Financiamento de Projectos Culturais através de Patrocínio, Mecenato e Crowdfunding” pretende assim responder à necessidade cada vez mais premente de encontrar formas alternativas e estratégicas de financiamento.

Continuar a ler

Estação das Orquestras’14

20 orquestras e agrupamentos musicais, mais de 100 concertos, mais de 40 localidades.

“Estação das Orquestras” é uma plataforma de divulgação da programação das orquestras e agrupamentos musicais portugueses, durante o período de verão, que utiliza meios de promoção e de comunicação adicionais aos disponibilizados pelas próprias organizações, tendo em vista atrair novos públicos e oferecer uma maior visibilidade à actividade artística desenvolvida por estas entidades. A iniciativa reúne, sistematiza e divulga informação sobre a agenda de concertos das principais orquestras do país, num website especificamente criado para o efeito – www.estacaodasorquestras.pt – de modo a assegurar uma cobertura e promoção em todo o território nacional e a alavancar e garantir maior expressão pública à respectiva actividade musical.

1

Esta acção facilita uma leitura alargada sobre a riqueza e acessibilidade da oferta musical disponível durante os meses de verão, estimulando uma visão da amplitude e diversidade da programação musical existente no país. A sua implementação destaca os resultados do trabalho desenvolvido por um conjunto significativo de organizações culturais da área da música, apoiadas ou suportadas pelo serviço público do Estado, relevando, em simultâneo, o esforço e o empenho aplicados por agentes e programadores culturais, públicos e privados, no desenvolvimento da actividade cultural e artística em todo o território nacional.
A concepção de uma comunicação agregadora do conjunto, para além de reforçar os meios próprios que cada organização desenvolve para a captação dos seus públicos específicos, permite uma leitura sistémica do universo musical em questão e favorece o reconhecimento público do sentido cultural e artístico de géneros musicais menos concorridos. A criação de uma imagem institucional e de uma identidade específica permite promover um sentido de convivência e de proximidade que facilita a adesão de novas audiências, incluindo o diálogo com as populações estrangeiras que nos visitam.
Com mais de 100 concertos ao longo dos meses de Julho, Agosto e Setembro, até ao dia 1 de Outubro, data em que se celebra o Dia Mundial da Música, e a participação de 20 orquestras e agrupamentos musicais, o programa “Estação das Orquestras” insere-se na acção do Governo de Portugal orientada para o reforço da divulgação da música e dos seus intérpretes junto de segmentos mais amplos da população nacional, num esforço de alargamento de públicos e no cumprimento da missão de criação e sedimentação de acesso à fruição cultural por parte de todos os portugueses.
“Estação das Orquestras” é uma iniciativa do Secretário de Estado da Cultura — Governo de Portugal.

Fontes: Estação das Orquestras

Pela Cultura e pelo Turismo

Instituições do Porto criam novo circuito turístico com bilhete único

Seis instituições do Porto assinaram hoje um acordo de cooperação para promover o turismo na cidade, que prevê a criação de um novo itinerário e o lançamento de um bilhete único de acesso a diversos espaços culturais.

O protocolo de cooperação foi esta manhã assinado entre Associação Comercial do Porto (ACP), Santa Casa da Misericórdia do Porto (SCMP), Câmara do Porto, Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto (IVDP), Irmandade dos Clérigos e Cooperativa Árvore.

De acordo com o protocolo, o objectivo destas instituições passa também pela “produção de conteúdos” que permitam oferecer uma programação cultural destinada aos turistas, nacionais e internacionais, bem como pela intenção de realizar programas conjuntos para candidatar ao novo quadro comunitário de apoio (2014-2020).

Porto

As instituições aceitam também “criar um itinerário conjunto” para alguns dos seus equipamentos culturais, cujo acesso será feito através de um bilhete único, a lançar até ao final do ano.

Com um único bilhete, os turistas conseguirão visitar o Palácio da Bolsa, a Casa e o jardim da Prelada, o museu e a igreja da Misericórdia, a sede da Cooperativa Árvore, a Casa do Infante, a torre dos Clérigos e o IVDP.

O presidente da ACP, Nuno Botelho, considerou que esta assinatura “ilustra aquilo que de melhor a cidade tem”, com a união de seis instituições para partilhar conhecimentos e potenciar turisticamente o Porto e a região.

Na ocasião, o responsável criticou a forma “pouco criteriosa” como “os fundos comunitários estão a ser aplicados no turismo”, apontando como exemplo a abertura de uma loja interactiva em Vizela, que contou com 159 mil euros de comparticipação.

“É absurdo, sem sentido e chegou a hora de nós, cada um de nós, começar a analisar isto de outra forma”, disse. “A ACP não se calará perante estas situações”, acrescentou.

O vereador da Cultura da Câmara do Porto, Paulo Cunha e Silva, adiantou que esta iniciativa se insere no objectivo da autarquia de dinamizar a zona do Centro Histórico e que “é possível que outros espaços [municipais] se juntem”, designadamente a Casa-Museu Guerra Junqueiro.

Cunha e Silva disse ainda que a Câmara também já está a trabalhar na hipótese de criar um bilhete único de acesso aos seus espaços/equipamentos culturais, tendo em conta que “o turismo na cidade está a crescer”.

O protocolo poderá no futuro ser alargado a outras instituições da cidade, sendo que o Museu Soares dos Reis e o Ateneu Comercial já demonstraram interesse em integrar este novo circuito turístico.

Actualmente, visitar a torre dos Clérigos custa dois euros, a Casa do Infante 2,20 euros e o Palácio da Bolsa sete euros.

O IVDP promove apenas provas de vinho, mas equaciona alargar a sua programação a partir de agora.

Fonte: Notícias ao Minuto

 

Festival das Artes de Coimbra

6º Festival das Artes de Coimbra

Apoiar as Artes faz parte da nossa Cultura

Depois da Noite, Água, Paixões e Viagens, o 5º Festival das Artes que a Fundação Inês de Castro impulsionou abre-se ao tema da Natureza. A escolha parece óbvia, pois tendo o seu centro na Quinta das Lágrimas não pode haver tema mais adequado.

Como no ano passado, voltámos a não ter qualquer apoio do Estado centrado em Lisboa. E, mais uma vez, a vontade dos nossos amigos (reunidos na Liga dos Amigos do Festival das Artes amigosfartes@gmail.com), a generosidade de muitos dos artistas, grupos convidados e fornecedores que aceitaram condições muito favoráveis para exprimir o apoio e solidariedade ao Festival, a força dos nossos mecenas e em especial o acréscimo de apoios da Câmara Municipal de Coimbra, EDP, CGD e da Direcção Regional da Cultura do Centro re-fizeram o milagre.

Festival-Artes-Coimbra-2014_800x185

O 5º Festival das Artes aqui está com um programa de que nos orgulhamos, pois sacrificar a qualidade nunca seria para nós uma opção. No palco do Anfiteatro da Colina de Camões, o ciclo da Música traz-nos de novo a Orquestra Gulbenkian e a Orquestra de Câmara Portuguesa de Pedro Carneiro que em 2009 dirigiu o nosso primeiro concerto sinfónico. Um momento excepcional será a leitura do Sermão de Santo António aos Peixes, por João Reis. E a Orquestra Metropolitana, o recital de piano de António Rosado, a Sagração da Primavera pela CNB, serão outros momentos cimeiros assim como o é a vinda do Fado de Lisboa, com Cuca Roseta, a Coimbra, um património da Humanidade homenageando o mais recente. E não podemos esquecer os outros ciclos de gastronomia, do cinema, das conferências, das artes plásticas e o serviço educativo: tudo pode ser visto mais em detalhe neste programa e no site www.festivaldasartes.com.

Não temos dúvidas de que o Festival das Artes de Coimbra está consolidado como um dos momentos de excelência no panorama cultural português; essa a nossa missão que vamos tentar continuar a cumprir. Por isso quero agradecer mais uma vez aos artistas e aos mecenas que continuam a acreditar em nós, e aos meios de comunicação social, aos programadores, aos hotéis da Quinta das Lágrimas, Vila Galé e Astória, e a todos os que com muita generosidade e dedicação permitem, com um orçamento muito apertado, dar-vos um festival que já tem nível internacional. E também – e quiçá sobretudo – agradecemos a todos vós, os milhares que nos honram com a vossa presença nos vários eventos e que demonstram que Coimbra e a Região Centro respondem sempre que se lhes oferece a qualidade que desejam e a merecem.

Apresentação Festival das Artes de Coimbra 2014

Fonte: Esectv , Youtube , Festival das Artes

Festival de Arte Pública, S. Miguel

4ª Edição Festival de Arte Pública

GALERIA W&T | Banif – Largo de São João (Antigas Instalações da Fiat)

WT

Bem vindos aos Açores e à 4ª Edição do Walk&Talk Azores/Festival de Arte Pública. Estamos a preparar-nos para receber mais de 60 criadores de múltiplas nacionalidades, que serão responsáveis por dar corpo a um programa cultural alargado que conjuga a criação de um roteiro de intervenções inéditas no espaço público com exposições, performances, concertos, workshops, laboratórios e conversas temáticas.

Dentro e fora de portas, seja pela mão de talentos locais ou de criadores internacionais, durante os 17 dias em que o Walk&Talk decorre, a ilha de São Miguel transforma-se num palco aberto às múltiplas expressões artísticas contemporâneas, fomentando um ambiente propício à concriação e à partilha cultural.

Vem descobrir a tua natureza criativa!

22H – Abertura Galeria W&T

Exposição Coletiva

Music&Live Visuals

CVLT + ALPHA CHANNEL

 

Fontes: Walk&Talk Açores , Agenda Viral